Cappelli: radicalóides atacam comandante do Exército

Ricardo Cappelli não poupa lideranças de esquerda que criticaram entrevista à Folha do General Villas Boas. Leia no Blog do Esmael.

PT - Nota de repúdio à tutela militar - Comissão Executiva Nacional do PT apontou a gravidade da usurpação confessada pelo general Villas Bôas para impedir que o STF conceda liberdade a Lula

PT contesta declarações de Villas Boas sobre pressão sobre STF na soltura de Lula - WSCOM

Debatendo o Lulinha com amor e sem paixões - O Cafezinho

  Armas no Chão. Bandeira branca. Pronto. Agora, acredito, dá para a gente debater melhor esse tema. Como disse o Rodrigo Vizeu no 26º Presidente da

Em nota, PT repudia tutela militar sobre o STF

Presidido nacionalmente pela senadora Gleisi Hoffmann (PR), o PT emitiu uma nota de repúdio à declaração do chefe das Forças Armadas, o general Eduardo Villas Bôas, que disse ter agido "no limite" ao manifestar "preocupação com a impunidade" na véspera do julgamento de um habeas corpus de Lula pelo STF; segundo o partido, o militar confirmou que a prisão do ex-presidente "foi uma operação política"; "O PT conclama as forças democráticas do país a repudiar e denunciar a usurpação confessada pelo general Villas Bôas e a defender a democracia contra as ameaças de Bolsonaro. Não há limites para a tirania depois que ela se instala"

PT diz que declaração de comandante reforça que houve tentativa de influenciar STF - 11/11/2018 - Poder - Folha

O PT (Partido dos Trabalhadores) reagiu às declarações do comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas à Folha em entrevista publicada neste domingo (11) e considera que o militar admitiu ter interferido diretamente para impedir o STF de conceder habeas corpus ao ex-presidente Lula.

Consultor Jurídico - Notícias, 11/11/2018 - Villas Bôas diz que calculou "intervir" caso STF desse HC a Lula [Judiciário, Leis, Política]

Kotscho: Que poder é esse numa democracia?

O jornalista Ricardo Kotscho questiona a declaração do chefe das Forças Armadas, o general Eduardo Villas Bôas, que revelou ter agido "no limite" ao declarar pelo Twitter "preocupação com a impunidade", no dia 2 de abril, véspera do julgamento de um habeas corpus do ex-presidente Lula pelo STF; "Fugir ao controle, como assim? Que controle? Que poder é esse numa democracia? O que ele temia? Um golpe militar? E quem o daria, o general Hamilton Mourão, eleito vice de Bolsonaro, que já havia feito várias ameaças de intervenção militar?", pergunta Kotscho

'Bolsonaro não é volta dos militares, mas há o risco de politização de quartéis', diz Villas Bôas - 11/11/2018 - Poder - Folha

O Exército está preocupado com o risco de politização dos quartéis na esteira da eleição do capitão reformado Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência. Seu comandante, general Eduardo Villas Bôas, quer estabelecer uma linha divisória entre instituição e governo.